segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Por que UE e Rússia querem tanto a Ucrânia?

Por Diego Braga Norte

Com fortes laços com a Rússia, Ucrânia é seduzida pelo bloco europeu - e oscila entre os dois. Saibam quais são as origens da disputa e o que está em jogo nessa queda de braço.
Uma república de mais de 44 milhões de pessoas, com uma economia fragilizada, mas com enorme potencial e um território de mais de 600 000 quilômetros quadrados (área maior que a da França, o maior país da União Europeia) está sendo alvo de uma queda de braço entre UE e Rússia. Enquanto os europeus têm interesse em expandir suas fronteiras para o leste e isolar a Rússia, Moscou quer aumentar sua zona de influência e aproximar-se da UE para confrontá-la.  E no meio do caminho tinha uma Ucrânia.


Muito novo – a Ucrânia independente tem apenas 23 anos – o país é para a UE a porta de entrada do Oriente, e para a Rússia, a porta de saída para o Ocidente. Enquanto a UE tenta abrir a porta, para a Rússia o importante é fechá-la. Por sua posição estratégica, tamanho e potencial, o país é alvo de cobiça dos europeus, mas ainda vive sob a sombra da Rússia – que tem ligações umbilicais com Kiev. Questões históricas, culturais e econômicas ligam a Ucrânia ao país de Vladimir Putin, mas a população que tem protestado nas ruas vê motivos mais fortes para se inclinar para o outro lado. Os manifestantes apreciam os benefícios oferecidos pelo Ocidente, principalmente os jovens, estudantes e profissionais da classe média, como explicam o professor Evert Vedung, especialista em União Europeia e professor emérito de ciência política da Universidade de Uppsala, na Suécia. “Eles parecem preferir a democracia ocidental ao autoritarismo russo porque o tratado com a Rússia não contém quaisquer requisitos democráticos nem defende um sistema jurídico com menos corrupção e mais direitos humanos”. No papel, tudo parecia estar muito bem encaminhado. Na prática, como diria Garrincha, ‘faltou combinar com os Russos’.
O ‘Não’ – Em 28 de novembro, a União Europeia foi esnobada pela Ucrânia. Em Vilnius, na Lituânia, onde foi realizada uma cúpula com seis ex-repúblicas soviéticas – Ucrânia, Geórgia, Moldávia, Bielo-Rússia, Armênia e Azerbaijão – os resultados foram muito aquém do esperado pelos europeus. A UE só conseguiu firmar dois acordos de associação com a Geórgia e a Moldávia, pequenos países com economias minúsculas e população somada inferior a 6 milhões habitantes. Os demais ex-satélites da extinta URSS não quiseram se aproximar da Europa. Dos quatro que se abstiveram, o mais importante é a Ucrânia. A rejeição ao acordo desencadeou protestos contra o governo ucraniano, mas, depois de alguns enfrentamentos mais ríspidos entre o povo e a polícia, a situação ficou mais calma, segundo o embaixador brasileiro em Kiev, Antônio Fernando Cruz de Mello. “Os dois lados estão dispostos a dialogar e isso é bom”. Mello também avalia que por ser uma república que ainda engatinha, essa crise pode vir a fortalecer as instituições democráticas do país. “Por ser um país da ex-URSS, os tempos aqui são mais dilatados e as coisas não acontecem na velocidade do Ocidente. A Revolução Laranja durou meses. O povo não dá sinais de arrefecimento e as negociações internas podem ser lentas, mas podem vir a fortalecer a democracia na Ucrânia”. O professor Angelo Segrillo, especialista em leste europeu e professor do Instituto de Relações Internacionais da USP, concorda e avalia que, neste momento, derrubar o governo seria um erro. “O presidente Yanukovych tem legitimidade, foi eleito em um processo democrático. Se quiserem derrubá-lo tem de ser nas urnas”, defende.

Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em 09/12/2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário